Olá, meus amores!

Tudo bem com vocês?

Hoje vou continuar falando um pouco sobre Paris para vocês!

Dica da SIS: perdeu o primeiro post com as dicas sobre a moeda local, internet, palavras mágicas, onde comer, transporte, onde se hospedar e compras? Então clique aqui.

Como amanhã é o Dia dos Namorados aqui no Brasil, vou mostrar o lado mais romântico da cidade para vocês.

Todos vocês sabem que nós do SIS somos shippers.

Shipper: é um termo, sem tradução para o português, que deriva na palavra “relationship” (relacionamento em inglês) e indica uma pessoa que torce para que um casal (da vida real ou fictício) fique junto.

Muito usado em fandoms de livros, séries e filmes, esse termo também se aplica a quem torce para casais na vida real.

Portanto, SIM, torcemos para Sam Heughan e Caitriona Balfe serem um casal na vida real e não apenas Jamie Fraser e Claire Fraser de Outlander.

Afinal, acreditamos no amor acima de tudo (sempre respeitando as escolhas individuais de cada um, claro!)

Se você não é shipper e acha isso besteira, não tem problema! Acreditamos que todos podem e devem acreditar no que achar melhor, desde que nunca percam o respeito por quem pensa diferente, ok?

Enfim, eu, Alexandra, sua SIS de Passagem, NÃO vou entrar no mérito “estão juntos” ou “não estão juntos”! Só entrei no assunto porque muitos shippers acreditam que foi em Paris que SamCait começaram toda essa história (como as meninas explicaram no HiPS: Todos a Bordo).


Então vamos voltar a falar sobre a cidade do amor!?

Atenção senhoras e senhores. A comandante Alexandra e sua tripulação dá-lhes boas vindas a bordo do Airbus 330-200. Este é o vôo SIS 291 com destino a Paris.

 

Sorvetes

Vamos falar a verdade: quer conquistar alguém? Conquiste pelo paladar!

Praticamente todo passeio romântico TEM que ter: chocolate, champanhe, flores e…SORVETE! Ou seja, só gordice (sim, só gordice, pois até flor é comestível).

A Amorino é uma sorveteria que tem unidades em vários lugares da cidade e vende sorvetes super saborosos e dos mais variados sabores e tipos.

E como se o sorvete em si já não fosse bom o bastante, lá eles também colocam Macarons se você quiser e, se optar pelo sorvete na casquinha, vem tudo em forma de flor!

 

Aonde ir

Vale lembrar que eu dividi o post em dois (Parte 1 e Parte 2), então, se você achar que está faltando alguma dica importante, tenha calma! Muito provavelmente ela está no post anterior.

 

Torre Eiffel

Construída em 1889, por Gustave Eiffel, para a Exposição Universal, a Torre Eiffel se tornou o símbolo mais importante de Paris e é o monumento mais visitado em todo o mundo, com mais de 7 milhões de turistas por ano.

Com 300 metros de altura e 1.665 degraus, você pode optar por subi-la de elevador ou de escadas (não recomendo nem se você for atleta do nível Sam e MPC). Se for de elevador, tome muito cuidado com batedores de carteira, pois eles amam o ambiente apertado de lá para furtar as pessoas.

Se você tiver medo de altura, não quiser enfrentar filas enormes ou simplesmente não quiser subir na Torre, você pode escolher um lugar para sentar no Champ de Mars (Campo de Marte) enquanto espera anoitecer e começar o show de luzes, que acontece de hora em hora (afinal, estamos na cidade luz, né?).

Um dia no gramado do Champ de Mars e seus arredores é muito lindo e romântico e o show de luzes noturno faz com que cada segundo valha a pena.

Se você não tiver um amor para compartilhar o momento, pode ir com a família, com amigos e até sem ninguém!

Paris é conhecida por ser uma cidade para apaixonados, mas é muito mais que isso! Paris é para todos. Inclusive para corações partidos superarem a dor e darem a volta por cima, fica a dica.

 

Arco do Triunfo

Talvez esse seja o monumento da cidade que eu mais amo.

Em sua base constam os nomes de batalhas vencidas pelo exército napoleônico e de seus generais (alguns mortos em batalhas).

Além disso, lá fica a Tumba do Soldado Desconhecido, que é um monumento que mantém uma chama sempre acesa e representa todos os franceses que morreram durante a Primeira Guerra Mundial e que nunca foram identificados.

Uma foto com a pessoa amada no canteiro central da Avenida Champs Elysées e com o Arco do Triunfo ao fundo…ah, o amor!

 

Petit Palais e Grand Palais

O Petit Palais foi construído ao redor de um pátio com lindos jardins e possui uma arquitetura maravilhosa. É conhecido como Museu de Belas Artes da Cidade de Paris.

Um grande patrimônio francês, o Grand Palais é um monumento muito importante para a cidade, com uma arquitetura incrível e o maior telhado de vidro da Europa.

 

Ponte Alexandre III

Essa linda ponte liga o bairro da Champs-Elysées ao bairro Invalides, passando por cima do famoso Rio Sena e é muito famosa por suas lindas estátuas.

Essa ponte é maravilhosa, pois simboliza a Art-Nouveau, e vale demais uma caminhada para atravessá-la, porque ela é cheia de detalhes por toda sua extensão.

Se você for para lá para uma viagem mais romântica, eu recomendo um passeio no final da tarde, pois o pôr do sol de lá é lindo! Tanto que muitos casais fazem fotos oficiais lá…

E na extremidade da ponte que se encontra no bairro Invalides há uma conexão ao “calçadão” do Sena, com algumas opções de bares e restaurantes bem gostosinhos e aconchegantes para fazer uma parada.

 

Les Invalides

O Palácio Nacional Les Invalides já serviu de residência para soldados franceses aposentados ou afastados do serviço, que podiam estudar e trabalhar arrumando uniformes e sapatos lá.

O complexo conta no seu interior com o Museu do Exército, a Igreja dos Soldados e a Igreja do Domo (Igreja Saint Louis des Invalides), que possui uma cúpula dourada extremamente imponente e abriga as cinzas de Napoleão.

 

Moulin Rouge

O cabaré mais famoso do mundo é um dos maiores símbolos parisienses e tem uma grande ligação com a boemia local, especialmente depois do musical “Moulin Rouge: Amor em Vermelho

Localizado na região do Pigalle, esse grande cabaré definiu todo o estilo do bairro, ou seja, vários sex shops, cinemas de filmes pornôs, além de outros cabarés…não é o tipo de passeio para se fazer com crianças.

Eu fui muito mal atendida lá, além de não ter achado o show tão interessante. Entre lá e o Lido, eu prefiro o Lido, mas não nego que o Moulin Rouge é, de fato, o cabaré mais importante da cidade e vale a pena tentar conhecê-lo, nem que seja pelo lado de fora.

 

Notre Dame

Dedicada à Virgem Maria, a Notre Dame é uma das catedrais góticas mais antigas do mundo.

Além da arquitetura incrível, foi lá que aconteceram grandes acontecimentos históricos, como a coroação de Napoleão Bonaparte e a beatificação de Joana D’Arc.

Além de ter a oportunidade de conhecer mais o cenário do nosso querido Corcunda de Notre Dame e a cripta com as rúinas encontradas em 1965, você poderá passar por cima do Marco Zero de Paris!

É nesse ponto que fica quilometro zero de todas as estradas que saem da cidade e serve de referência para o cálculo das distâncias entre Paris e as demais cidades da França. Diz a lenda que quem pisa no Ponto Zero sempre volta a Paris, então vamos pisar muito…!

 

La Défense

A região de La Défense fica na zona norte de Paris e é onde se concentra a área mais importante da cidade no universo dos negócios.

Na área é permitida a construção de edifícios com arquitetura diferente daquela comum na região central da cidade, permitindo inclusive a construção de arranha-céus.

Para os turistas, La Défense é um monumento que leva esse mesmo nome e que nada mais é do que um Arco do Triunfo moderno. É lindo!

É ao lado do La Défense que fica o Les Quatre Temps, o melhor shopping da cidade.

 

Place des Vosges

A praça planejada mais antiga de Paris, a Place des Vosges possui imóveis de tijolinhos vermelhos por toda a sua extensão com lindos arcos em sua base.

Além de um passeio pela praça em si, que conta com um delicioso jardim de estátuas, você poderá olhar vitrines, fazer uma refeição nos restaurantes e cafés e, inclusive conhecer o Maison Victor Hugo, que é um museu dedicado a esse escritor tão famoso. E os funcionários de lá também são uns queridos.

Para quem não sabe, Victor Hugo escreveu várias obras maravilhosas, entre elas “Os Miseráveis” que teve, inclusive, uma linda adaptação para os cinemas.

 

Museu do Louvre

Palácio que já serviu de residência para alguns monarcas franceses, o Palácio do Louvre deixou de ser residência real quando construíram o Palácio de Versalhes e, atualmente, recebe aproximadamente 8 milhões de visitantes por ano.

É nele que ficam várias obras importantes como, Monalisa (de Leonardo da Vinci) e Vênus de Milo (da Antiga Grécia).

 

Jardim de Tuileries

Entre o Museu do Louvre e a Praça da Concórdia, esse foi o primeiro jardim em Paris com caráter público e é um passeio obrigatório para todos que saem do Louvre e se dirigem a outros lugares da cidade, pois seu jardim é incrível.

Com várias árvores e diversas esculturas, além de fontes espalhadas por toda a sua extensão, nele você poderá sentar e aproveitar um lindo dia.

Aproveite para ver o Arco do Triunfo do Carrossel que une o Louvre aos jardins.

Esse também é um ótimo passeio romântico para se fazer.

 

Place de la Concorde

Localizada entre o Museu do Louvre e a Champs-Elysées, essa praça tem um passado sangrento, pois durante a Revolução Francesa havia uma guilhotina nela onde eram executada várias pessoas, entre elas o Rei Luis XVI e a famosa Maria Antonieta.

Atualmente a praça conta com um lindo obelisco, doado pelo vice-rei do Egito e proveniente de Luxor, e duas fontes maravilhosas de estrutura romana.

Garanto que não tem mais nada de sangrento e é um maravilhoso passeio romântico.

Mais uma vez, se você não tem ninguém para chamar de “seu”, não tem problema! Foi lá que Andy (Anne Hathaway em “O Diabo Veste Prada)” mostrou que uma mulher segura de si também pode arrasar sozinha naquela paisagem maravilhosa!

 

Café Des Deux Moulins

Gosta do filme Amélie Poulain? Então saiba que o Café Des Deux Moulins é o local que cedeu seu espaço para servir de café em que a protagonista trabalhava nesse filme tão amado por nós.

Achei a comida extremamente saborosa e o garçom que ficava atrás do balcão foi um amorzinho.

Enquanto eu tirava fotos do ambiente ele ficou fazendo brincadeiras comigo (e atendendo várias pessoas ao mesmo tempo) e na hora da foto ele encarnou o “espírito Amélie Poulain“ e tirou uma foto um tanto característica.

 

Jardim de Luxemburgo

Construído originalmente no estilo italiano para servir de palácio para Maria de Medicis, que estava cansada do Louvre, após a Revolução Francesa o palácio se tornou prisão e, posteriormente, quartel alemão durante a Segunda Guerra Mundial.

Atualmente o local conta com jardins incríveis, estátuas que contam um pouco da história local, restaurante, cursos, fontes e várias cadeiras de metal para se sentar por toda a sua extensão.

Para as crianças e os adultos com espírito de criança, é possível alugar pequenos barcos a vela que são controlados por varas como nos velhos tempos.

Enquanto eu passeava por lá, conheci uns artistas que faziam um som diferente e ao mesmo tempo familiar para nós, fãs de Outlander.

Com instrumentos super diferentes, eu tive a honra de ouvir o Nour Darwish, um artista iraniano que estava passeando com seus amigos em Paris. Sua amiga até tocou um pedacinho de “Skye Boat Song”.

 

Versailles

O local, que já foi um mero pavilhão de caça do Rei Luis XIII, foi transformado por seu filho, Luis XIV, que achou que o local poderia se tornar sua residência após algumas reforminhas básicas.

Lá, Luis XIV poderia ficar afastado dos conflitos que aconteciam em Paris, mas não muito distante, além de ter um lugar para funcionar como centro da Corte Real e sede do Governo, possibilitando a sua ideia de instituir uma Monarquia Absoluta.

E, de fato, deu tão certo que seus sucessores, Luis XV e Luis XVI continuaram as atividades no local.

Cercado por jardins que valem uma manhã inteira de passeio, com shows de fontes e trilha sonora própria da realeza, você não pode deixar de conhecer essa área verde construída pelo homem.

Fãs de Outlander com certeza se lembram do Rei Luis XV retratado durante a Temporada 2, com as visitas frequentes de Jamie e Claire ao Palácio de Versalhes, os passeios pelos jardins (inclusive com o retorno de Black Jack Randall) e o preço que Claire teve que pagar para liberar Jaime da Bastilha (a prisão mais importante da história da França).

Ufa…acho que consegui falar um pouquinho sobre o básico, né?

Prometo que num futuro post sobre Paris eu falo sobre o resto que tive que deixar de falar nestes dois último posts, pois dicas não faltam quando o assunto é aquela cidade tão maravilhosa.

Alguém está indo para lá e quer me levar na mala? Prometo ser compacta e uma ótima companhia!

#PayMyTherapy

#PayMyCaipirinha

#PayMyTravel

#SISdePassagem

Autora: Alexandra
Revisora: Thaís
Tradutoras: Bianca e Alexandra
Montagem: Alexandra

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Fechar Menu